Levantamento aponta piora em educação, saúde e social no 1º ano de governo Bolsonaro

Levantamento aponta piora em educação, saúde e social no 1º ano de governo Bolsonaro

Com informações do site do PSB/Nacional

No primeiro ano da gestão do presidente Jair Bolsonaro, houve uma piora em áreas como a educação, saúde, assistência social e meio ambiente, segundo levantamento do jornal Folha de S. Paulo divulgado neste domingo (16).

Dos 104 indicadores avaliados, 58 deles mostraram resultados piores do que em 2018 ou outro período de comparação mais adequado. Para a análise, foram condensadas estatísticas de diversos órgãos do governo federal ou vinculados a ele, como o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), além de dados, estudos e pesquisas de instituições privadas, como o Datafolha, ou que acompanham setores específicos.

Programas de proteção social e transferência de renda para famílias em situação de pobreza e de extrema pobreza, como o Bolsa Família e o Minha Casa Minha Vida, voltaram a ter filas de espera e situações de colapso.

Desde o ano passado, o governo federal congelou o Bolsa Família mesmo nas regiões mais carentes do país. Cerca de um milhão de pessoas aguardam para ingressar no programa. A fila de espera havia sido zerada em julho de 2017 e não há previsão para ser extinta novamente.

Na faixa 1 do Minha Casa Minha Vida, voltada para as famílias mais pobres, houve atrasos nos repasses a construtoras e o número de imóveis entregues caiu 57%.

No INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), há falta de pessoal e deficiências estruturais que geraram uma fila de 1,3 milhão de pessoas a espera de seus benefícios.

O MEC (Ministério da Educação) sofreu sobressaltos políticos, trocas no comando da pasta, cortes de investimentos em educação básica, ensino superior e em pesquisa.

Apesar de não contar nos indicadores analisados, o Enem 2019, o primeiro sob a gestão do novo governo, também teve problemas graves com as notas de milhares de estudantes.

Saúde

Na saúde, oito indicadores tiveram piora, segundo o Ministério da Saúde. Com a não renovação dos contratos do programa Mais Médicos, houve redução no número de médicos na atenção básica, situação que não era registrada desde 2011, e de agentes comunitários de saúde.

A mortalidade infantil aumentou, segundo dados preliminares de janeiro a junho do último ano, devido a problemas na rede de saúde e ao aumento no volume de internações por pneumonia em menores de 5 anos.

Doenças já erradicadas ou que haviam diminuído os casos voltaram a preocupar. É o caso da dengue (com o segundo maior número de casos e mortes já registrado na série histórica, com 782 mortes) e do sarampo (18 mil casos contra 10 mil no ano anterior).

Meio ambiente

No meio ambiente, também há retrocessos. O desmatamento na Amazônia cresceu 29,5%. As queimadas, 86%. Já as multas por crimes ambientais aplicadas pelo Ibama caíram cerca de 25%.

Em toda a gestão do presidente não houve demarcação de terra indígena nem mesmo declaração (autorização para a área ser demarcada), superando a pior marca até então, a de Michel Temer (2016-2018) — três terras indígenas declaradas e uma homologada.

A reforma agrária foi praticamente paralisada. O Incra homologou 5.409 lotes relativos a processos antigos de agricultores que ocupavam áreas sem autorização da autarquia.

About author

Partido Socialista Brasileiro
Partido Socialista Brasileiro 366 posts

Em 1947 o Partido da Esquerda Democrática transformou-se em Partido Socialista Brasileiro. Somente em 1986, com a redemocratização, o PSB voltou ao cenário nacional, quando realizou o primeiro encontro nacional do partido.

You might also like

Notícias 0 Comments

Rio terá seminário sobre PEC que veta coligações

A Comissão Especial destinada a analisar a Proposta de Emenda à Constituição nº 282, de 2016, aprovou requerimento do deputado federal Hugo Leal (PSB-RJ) que solicita realização de seminário sobre

Municípios 0 Comments

‘Temos de começar a falar de oposições, no plural’, diz Alessandro Molon

Por Leonardo Cavalcanti, do Poder 360 O líder da oposição na Câmara, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), afirma que é preciso tratar a oposição de forma mais plural. “Não falamos disso,

Notícias 0 Comments

PSB/RJ começa preparação para as eleições de 2018

Quase 200 dirigentes estaduais e municipais do PSB do Rio de Janeiro – além de postulantes a candidaturas à Câmara dos Deputados e à Assembleia Legislativa – participaram de encontro,

0 Comments

No Comments Yet!

You can be first to comment this post!

Leave a Reply