O que acontece quando nossa água é privatizada?, por Milena Batista

O que acontece quando nossa água é privatizada?, por Milena Batista

Autora: Milena Batista, presidente municipal da JSB-RJ

Publicado no Site do PSB

A crise da água vem causando transtornos na população carioca, já afeta mais de 70 bairros e fez as garrafas de água mineral se tornarem itens de luxo nas prateleiras dos mercados. O colapso hídrico e ambiental no Rio de Janeiro vem acontecendo faz tempo, os principais mananciais de água que abastecem a cidade estão poluídos. O governador Wilson Witzel avisou a população que a despoluição do Rio Guandu, que abastece cerca de 80% do município, depende de verba obtida com leilão da Cedae, mesmo com sua promessa de campanha dizendo que não iria privatizar a empresa.

A verdade é que a privatização da água é um grande plano nacional do governo Bolsonaro e só interessa à elite. Vão querer que você acredite que está bebendo água podre porque a empresa estatal é ineficiente. A mesma empresa que teve um lucro histórico, de R$ 832 milhões, em 2018. O governo demitiu 54 engenheiros, muitos deles especialistas no controle de qualidade da água, as indicações da companhia são todas políticas, não técnicas. O sucateamento da Cedae é obra daqueles que querem vendê-la. Não é um alerta só para o Rio de Janeiro, mas para todo o Brasil.

Sabemos dos planos do ministro da Economia Paulo Guedes: ele quer privatizar o máximo de empresas estatais brasileiras. Uma de suas apostas no Congresso Nacional é a aprovação do novo Marco Legal do Saneamento Básico, que estabelece novas orientações para contratos da área de saneamento no Brasil. A principal medida é a obrigatoriedade de haver concorrência nas contratações de serviços na área. Isso significa aumento da participação de empresas privadas. Simplesmente: privatização.

O que acontece no Brasil hoje? Os prefeitos e governadores escolhem um “contrato” que permite que empresas estatais que prestam serviços de saneamento sejam contratadas sem licitação – sem concorrência privada. Como o exemplo da Cedae no Rio de Janeiro.

Outra proposta do marco legal é que o saneamento passe a ser prestado de forma regionalizada. Seriam montados blocos com cidades que prestarão os serviços do setor em conjunto – cidades vizinhas poderão compor a mesma licitação. Parece bom mas não é. Se não for atrativo para o setor privado investir em determinada cidade do interior e sua gestão não conseguir articulação com outros municípios, como vai ser? Não vai ter saneamento básico.

Outro fator absurdo foi um destaque aprovado pelos partidos PP, MDB e PTB que retirou a exigência da empresa contratada fazer a despoluição de rios causada pelo lançamento de esgoto sem tratamento como condição para validar os contratos de saneamento básico.

O setor privado vai ter licença para poluir. A privação do direito do povo ao abastecimento de água vem junto com o aumento de preço, o que impede o acesso da população mais pobre. Estamos falando de racismo ambiental e colonialismo. A privatização da água, sendo tratada como mercadoria pelo governo de Bolsonaro, vai na contramão de vários países que estão desprivatizando seus serviços públicos. Enquanto Rio privatiza, por que Paris, Berlim e outras 265 cidades reestatizaram saneamento?

O Chile é um exemplo de como a privatização da água deu errado e prejudicou os mais pobres do país. Durante a ditadura militar de Augusto Pinochet, se implantou políticas neoliberais em todos as áreas. Privatizou-se as fontes e a gestão de água. Apesar de o acesso à água ser direito fundamental e humano, a Constituição chilena a trata como mercadoria desde então. O artigo 19 afirma que a água é um bem econômico, que se pode comprar. Os donos das águas no Chile são as grandes empresas agrícolas, as madeireiras, as hidrelétricas e mineradoras.

No Rio, como no Chile, onde aumenta a desigualdade social e a pobreza, quem tem dinheiro compra água potável, quem não tem bebe água contaminada. A privatização das águas também resulta em graves consequências para o meio ambiente. A maioria dos países reduz o rigor das leis ambientais para se tornar mais atraentes ao olhar do investimento estrangeiro. O que o governo brasileiro já está fazendo.

Em 2006, o ex-presidente Lula declarou no Relatório de Desenvolvimento Humano que “a água pura, acessível e a um bom preço, é um direito humano e a base do desenvolvimento econômico e social”.

É um absurdo que o atual “desgoverno” insista na privatização de um direito humano fundamental. Quase 35 milhões de pessoas não têm acesso a água tratada no Brasil, enquanto isso, Paulo Guedes utiliza esse dado como argumento favorável ao seu discurso entreguista de privatização.

Mas o fato é que o novo marco legal do saneamento básico vai privilegiar os empresários, principalmente empresas estrangeiras, que estão prontas para explorar nosso território. As experiências de privatizações, inclusive parcerias público-privadas, da água em todo o mundo provam que a empresa privada não é necessariamente melhor que empresa pública.

Precisamos lutar para que a gestão da água e seu controle sejam públicos e contem com a participação da sociedade civil. Água é poder.

About author

Partido Socialista Brasileiro
Partido Socialista Brasileiro 172 posts

Em 1947 o Partido da Esquerda Democrática transformou-se em Partido Socialista Brasileiro. Somente em 1986, com a redemocratização, o PSB voltou ao cenário nacional, quando realizou o primeiro encontro nacional do partido.

You might also like

Notícias 0 Comments

PSB elege 64 vereadores no estado do Rio

Balanço feito pela Executiva do PSB (Partido Socialista Brasileiro) no Rio de Janeiro aponta que o partido elegeu sete prefeitos, sete vice-prefeitos e 64 vereadores no estado. “Temos ainda um

Notícias 0 Comments

PSB é o partido de esquerda que elegeu maior número de prefeitos em 2016

O PSB é o partido de esquerda que mais elegeu prefeitos no primeiro turno das eleições, neste domingo (2). Os socialistas conquistaram 414 cidades, seguidos do PDT, com 334, PT,

Notícias 0 Comments

Congresso do PSB reúne mais de 1,5 mil pessoas em Brasília

  Diante de mais de 1,5 mil pessoas presentes na cerimônia de abertura do XIV Congresso Nacional do PSB, na noite desta quinta-feira (1º), em Brasília, o presidente nacional do

0 Comments

No Comments Yet!

You can be first to comment this post!

Leave a Reply